WhatsApp

WhatsApp

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Tubarão Martelo é encontrado em praia de Parnaíba (PI)

A imagem de um tubarão morto nas areias da praia da Pedra do Sal em Parnaíba, teve uma grande repercussão na internet e assustou banhistas e moradores da região na manhã desta quarta-feira (25) no Litoral do Piauí. Porém, o animal não encalhou e nem apareceu por acaso no local, o animal, na verdade foi pescado a 35 km da praia e o registro foi feito pelo instituto que documenta e controla a pesca de tubarões no litoral piauiense.
Nossa equipe esteve conversando com pescadores da região e nenhum disseram ter visto o animal, não entendiamos como um animal dessa espécia pode passar despercebido por pescadores, no entanto um dos pescadores que não quis se identificar disse que é costume eles sempre trazer esse tipo de animal pescado em alto mar, as pessoas talves não nos davam informações por medo. 
É comum essa espécie de tubarão Sphyrna mokarran, em nossa costa e ele é pescado e comercializado já aberto e sem as vísceras, como este que foi visto hoje na Praia da Pedra do Sal e as imagens repercutiram nas redes. A pesca não é ilegal, mas existe uma portaria nacional que diz ser necessário o controle da pesca", explicou a bióloga.
O animal foi medido, pesado, identificado e teve material biológico coletado antes de ser comercializado pelos pescadores. Segundo a pesquisadora, os tubarões não oferecem nenhum tipo de risco aos banhistas já que não ficam próximos a área de banho e são uma espécie calma.

IPIPEA
O instituto Piauiense de Pesquisa Aplicada para a Gestão Pública trabalha há dois anos na região de Parnaíba em três frentes: ambiental, social e econômica.  "Somos pesquisadores sem patrocínio de grandes empresas, trabalhamos com recursos próprios e por isso pouco nos conhecem. Estamos nas praias, mas sem fardas. Pouca gente sabe o que estamos fazendo" Explicou a bióloga, doutoranda em Sistemas Costeiros e Oceânicos e pesquisadora do IPIPEA, Geórgia Aragão
Fonte: Local Pedra do Sal
Edição: Calixto Dias
Por: Erismar Calixto

Nenhum comentário: